A preservação do meio ambiente está na essência do Clube Jaó. Além de ser pioneiro em promover ações ambientais no Estado de Goiás, o Jaó também é um dos maiores clubes eco urbanos do país, possuindo mais de meio milhão de área verde conservada e abrigando milhares de espécies de fauna e flora, que são os verdadeiros tesouros do nosso ecossistema.

AS MUITAS ÁGUAS DO JAÓ

Na década de 60, o Bosque Babaçu foi o local escolhido para a criação do Clube e a idealização do objetivo de unir o urbano com a natureza. Nas margens da Represa Jaó, que era banhada pelas águas do Rio Meia Ponte e, aproveitando-se do desvio do córrego, o complexo aquático foi projetado e fundado.  Desde então, além do parque aquático, lagos, canais, cascatas e espelhos d’água embelezam ainda mais o espaço.

Além de conservar o meio ambiente, o Clube tem um longo histórico de recuperação do que já esteve à beira da degradação. Na década de 70, por exemplo, com o crescimento da grande Goiânia, o Rio Meia Ponte foi descuidado e sua represa acabou tendo que ser esvaziada por causa da poluição. O Clube, que até então era rodeado pelas águas desse rio, foi cercado por mato e brejo.

Então, para consertar o que deixou-se acabar, uma barragem foi construída para represar e preservar as águas deste córrego, e assim, não nasceu apenas o maior e o mais limpo lago da cidade, mas o único córrego não poluído de Goiânia: o Lago do Jaó.

Nos anos 80, graças à inexistência de proteção e desastres naturais como as erosões, enxurradas e a perda do volume d’água do córrego Jaó, foram necessárias novas medidas para a revitalização deste e da sua nascente. Sem essas ações, a região provavelmente já teria perdido esse importante recurso hídrico.

BOSQUE BABAÇU

O Clube Jaó também possibilitou a transformação de uma grande área de pasto (com extensão de 200 mil m²) em uma bela típica área ambiental do cerrado. Na década de 60, graças o replantio de diversas mudas e a constante conservação da flora, fauna e da água, o bosque que rodeia o Clube Jaó foi inteiramente replantado, dando a origem ao Babaçu.

Em 1995, foram iniciadas as operações para a restauração dessa mata. Ações como o replantio de milhares de mudas, a proteção da vegetação nativa já existente e a recuperação das nascentes dentro dela apresentaram uma notável recuperação em 2005. Em 2011, a mata encontrava-se toda fechada. Desde que a área foi inteiramente reflorestada, a natureza é constantemente conservada e os resultados podem ser vistos no dia a dia nos arredores do Clube.

Nesta área verde, os associados do Jaó ainda têm a opção de curtir um churrasco com a família em um do diversos quiosques que o Clube oferece no Bosque Babaçu. O espaço é o local ideal para aproveitar a tranquilidade, tirar férias do estresse da cidade grande, usufruir as sombras proporcionadas por inúmeras árvores, respirar um ar puro, ver saguis e diferentes espécies de aves, e, não menos importante, ensinar as crianças sobre a importância de proteger o bem mais precioso que temos: o meio ambiente.

Dessa forma, é de extrema importância que o Clube Jaó continue a contar com o direito de uso de toda a área ambiental que constitui seu espaço, pois só assim será possível dar continuidade à preservação da mata, do lago, do córrego, do bosque e de todos os animais que habitam esse valioso ecossistema.

Deixe um comentário